PESQUISA



Pesquisa Avançada

PRÓX. LANÇAMENTOS

* NOVO TELEFONE (21) 2557-3960

comprovantes pgto enviar por e-mail (beatriz@anep.com.br)

A Esquemateca Vitória fechou. O Sr pode tentar mandar e-mail para o Jone( jone-fs@hotmail.com)

fone 21 2516-0802) ou Vivo(21) 99748-8419 (Whatsapp). Endereço: Rua Alexandre Mackenzie 40 Centro –

20221-410 Rio de Janeiro, RJ

A pessoa que recebeu o acervo da ESBREL já conseguiu digitalizar parte do material. Ele se chama

J R Mano-manorc1@manorc.com.br. (51) 9731-1158 (WhatsApp)

Tem também uma firma em Caxias chamada EPEL fone(21) 2772-4838 (atepel@atepel.com.br) que vende esqu

Endereço: Av Duque de Caxias 190 loja Centro -25070-070 Duque de Caxias, RJ

NEWSLETTER

Fique sabendo das novidades da Editora Antenna através do nosso Newsletter!

Cadastre-se aqui!

SEJA NOSSO AUTOR

Venha ser um autor da Editora Antenna! Para obter maiores informações a respeito, clique aqui.

ENQUETE

Como você chegou até nosso site?


Resultados


CADASTRO

Seja nosso cliente e aproveite todas as vantagens do site!

Cadastre-se agora!

LOGIN

REVISTAS

DETALHES DO LIVRO



Despropósitos Elétricos


Paulo Ludmer



112 páginas - 1ª edição - 2002


ISBN: 8588098113


Formato: 16 x 23


Referência: ART-11-3


R$23,00       


indicar para um amigo


Em Despropósitos Elétricos damos continuidade aos relatos mensais ou crônicas da conjuntura do setor elétrico já organizados pela MM Editora, de 1989 a 1994, no livro Perdas e Gulas Crônicas Elétricas Brasileiras, ao qual se seguiu Crônicas e Correntes Armadilhas Elétricas Brasileiras, sobre o período de 1994 a 1998.

Desta vez apresentam-se, mês a mês, desde o final de 1998 ao início de 2002, a continuação de um trabalho de treze anos em sua primorosa revista Eletricidade Moderna, onde tenho a coluna MOMENTO, a convite do jornalista José Rubens Alves.

Na verdade, a leitura e a releitura do farto material narra a história do setor elétrico brasileiro por uma ótica diferenciada, que é a do grande consumidor industrial. Estabelece a lógica interna e a articulação desse agente da economia, que está interessado em disponibilidade abundante de energia elétrica, com qualidade e competitividade ao usuário.

Não há nada igual a esta trilogia que se completa em Despropósitos Elétricos na literatura e nas bibliotecas brasileiras. Nas prateleiras encontram-se com abundância produções acadêmicas, algumas eivadas de preconceitos ideológicos contra os setores industriais eletro-intensivos. Abundam também fartas produções governamentais, umas pasteurizadas, outras às vezes triunfalistas e assépticas. Há também muitos textos oriundos de executivos de concessionárias, legítimos, mas com o viés de ofertante, freqüentemente desrespeitando o primado do consumidor enquanto razão de ser de todo o setor.

Vale dizer, Despropósitos Elétricos é ímpar, singular e valioso, porquanto constitui a única voz, para leigos e estudiosos do assunto, de um ponto de vista essencial: o do grande consumidor industrial que representa 20% da carga elétrica do País; é autogerador e produtor independente; é comercializador; e, sobretudo, é nuclearmente diferenciado na medida em que seu core business é fabricar metais, químicos e petroquímicos; papel e celulose; cimento; vidros e outros itens da base da cadeia produtiva.

Ignorantemente e historicamente discriminada no Brasil — onde ser grande é uma qualidade negativa no inconsciente coletivo —, a voz do grande consumidor se realça em Despropósitos Elétricos. No livro vêem-se fatos ignorados pela mídia, que se interessou pelo assunto somente nos apagões circunstanciais e no recente racionamento em curso desde junho de 2001, à exceção da região Sul, menos afetada.

Convém lembrar que Despropósitos Elétricos traduz um esforço organizado e coeso de indústrias, cujo negócio é fazer seus produtos, mas que se viram obrigadas a entrar fundo, tanto quanto possível, em todos os problemas e desafios do setor elétrico, tornando-se interlocutor fundamental e imprescindível à organização da economia brasileira como um todo.

No transcurso do período aqui recoberto, a coluna MOMENTO, da Eletricidade Moderna, foi referência para leitores no chão das fábricas onde tocam a produção industrial nacional. Mas MOMENTO atingiu comprovadamente altos dirigentes do governo, reguladores, políticos, diplomatas, acadêmicos, empresários de todos os segmentos, jornalistas e formadores de opinião, que adquiriram o hábito de buscar o conteúdo uma vez mais aqui organizado.

1998

Nós, os reféns da portaria 459 - novembro de 1998
Os absurdos que empacam o setor - dezembro de 1998

1999

O futuro da energia interruptível - janeiro de 1999

A economia e o cenário energético - fevereiro de 1999

O blackout histórico - março de 1999

Quem são os culpados pelo blecaute? - abril de 1999

Gastança, impostos e tarifas - maio de 1999

Furnas: por que não vender? - junho de 1999

O gás natural e o país inviável - julho de 1999

A transição e a ausência de competição - agosto de 1999

Resgatando o livre mercado - setembro de 1999

Térmicas: só anunciá-las resolve? - outubro de 1999

Chuva, gênero de primeira necessidade - novembro de 1999

Será que vai chover? - dezembro de 1999

2000

Os danos da seca, e da inação - janeiro de 2000

Polêmica nas tarifas de energia - fevereiro de 2000

Novidades no projeto Reseb - março de 2000

As térmicas e seus efeitos - abril de 2000

Novo modelo: como fica a transmissão? - maio de 2000

Integração energética latina - junho de 2000

O futuro do preço dos energéticos - julho de 2000

Agosto: mês de tensão no setor - agosto de 2000

Térmicas: dolarizar é solução? - setembro de 2000

O presente da futura integração - outubro de 2000

Abençoadas chuvas de outubro - novembro de 2000

Um ano bom, mas nem tudo é cor-de-rosa - dezembro de 2000

2001

A operação e a vida da resolução 456 - janeiro de 2001

Fevereiro: previsões e reversões - fevereiro de 2001

Racionamento: quem são os responsáveis? - março de 2001

Divagações sobre a crise do setor - abril de 2001

Impactos da falta de energia - maio de 2001

Gerenciando o racionamento de energia - junho de 2001

A crise do setor energético e seus personagens - julho de 2001

A história dos subsídios à indústria - agosto de 2001

A luta dos grandes consumidores - setembro de 2001

A ineficiência dos tarifaços de ocasião - outubro de 2001

O novo cenário mundial do setor elétrico - novembro de 2001

Conseqüências do protocolo - dezembro de 2001

2002

Os entraves do modelo do setor - janeiro de 2002

Energia mais cara para a indústria - fevereiro de 2002

Paulo Ludmer - Paulo Ludmer, paulistano, nascido em 1944, engenheiro, jornalista, professor, artista plástico, músico, escritor e psicodramatista. Autor de vários livros: Línguaçodada, Editora Massao-Ohno, 1994; Perdas e Gulas – Crônicas Elétricas Brasileiras, MM Editora, 1994; Crônicas e Correntes – Armadilhas Elétricas Brasileiras, MM Editora, 1998; Outrarias, Editora Massao-Ohno, 1998; Alcinhas, Editora Massao-Ohno, 2001; e prêmios literários: União Brasil de Escritores, Rio de Janeiro, 1995; Casa da Palavra, 1996; Litteris, 1998; O Capital (Sergipe), 1998.

>> Site: http://


LEIA TAMBÉM


Do(s) Mesmo(s) Autor(es):


Energia: Desconcertos e Impasse

Do Mesmo Tema:


Amostra grátis do livro "O que todas as pessoa precisam saber sobre eletricidade"(Enviaremos por -email)

Aterramentos Elétricos

Eletricidade e eletrodomésticos

Eletricidade Geral - Dispositivos e Aplicações

Eletricidade Geral - Eletrotécnica

Eletricidade Geral - Fundamentos

Eletricidade Industrial

Eletricidade no Automóvel, A

Instalações Elétricas 2 Vols.

Instalações Elétricas Residenciais e Comerciais

Instalações Elétricas sem Mistérios (Reserve)

Manual Básico de Motores Elétricos

Motores Elétricos ( Manutenção e Testes )

Placa da Fonte TV LG

Placa MAIN TV LG

Setor Elétrico Brasileiro (Aspectos Regulamentares e Tributários)


Copyright © 2006 Antenna Edições Técnicas - Produzido por Marcelo S. Macedo
Av. Marechal Floriano, 151 - Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20080-005
Tel: (21)2223-2442 - Fax: (21)2263-8840